Voltar a Sydney e não revisitar a região da Sydney Harbour Bridge e Opera House chega a ser um pecado para mim.

A energia e o entusiasmo que a visão daquele cenário me proporcionam deixam-me tão empolgada a ponto de não conseguir ir para a região central da cidade sem dar uma esticadinha até lá.

O efeito de tomar um drink no Sydney Opera Bar vislumbrando o vai e vem de ferries, barcos ou navios, enquanto o sol se põe, faz com que eu me sinta imensamente viva e integrante daquele lugar. Age como uma dose extra dos hormônios da felicidade em minha corrente sanguínea, e me faz sentir mais jovem e mais forte.

Só por estes motivos, uma visita só àquele cartão postal não é suficiente ao viajante que queira dizer que conheceu verdadeiramente a área da Harbour Sydney. Há outros motivos que levarão o visitante a estar por ali, uma vez pontos turísticos importantes ficam na sua proximidade.

Vou explicar.

Para quem não sabe, a região ao redor do principal porto da cidade é composta pela Sydney Harbour Bridge, pelo Sydney Opera House, seus bares e restaurantes, pela área histórica e vibrante chamada The Rocks, pelo Royal Botanic Garden e pelo Circular Quay (principal terminal de balsas, ônibus e trens de Sydney). Ou seja, em Sydney ao conhecer um desses lugares você estará, obrigatoriamente, muito próximo do famoso cartão postal. E, estando por lá, por que não degustar um pouco mais daquele cenário exclusivo?

Não bastassem os motivos que apresentei acima, há ainda outra razão ir namorar aquela ponte: seu outro lado.

As atrações que mencionei antes, estão concentradas no lado sul da Harbour Bridge. Há, contudo, muito o que conhecer em seu lado norte. Por exemplo: Lavender Bay, McMahon’s Point; Luna Park.

Se deslumbrados ficamos do lado sul da ponte, maravilhados ficamos no outro.

E, também, no lado norte, não sou capaz de deixar de visitá-lo estando em Sydney.

McMahon’s Point sempre me arrebatou, mas, desta vez em 2018, sozinha e de ônibus, fui conhecer Lavender Bay e seus arredores.

A Lavender Bay está localizada a 3 km ao norte do centro de Sydney.  Entre Milsons Point e McMahons Point, é predominantemente residencial com vistas amplas do famoso porto de Sydney, o que significa dizer lar de alguns dos imóveis mais caros da Australia.

Como sugere o nome, em Lavender Bay encontramos lavanda em meio a sua vegetação abundante e muito bem cuidada. Entretanto, o nome daquela baia não deriva da perfumada flor e sim do nome de George Lavender,  contramestre do Phoenix, navio que trouxe condenados ingleses nos primórdios da colonização australiana.

Eu teria ficado frustrada se não tivesse encontrado algumas lavandas por lá. Mas as encontrei.

Wendy’s Secret Garden

Chegando em Lavender Bay, caminhei por todo o seu parque e ancoradouros até encontrar o famoso Wendy’s Secret Garden.

Embora o Jardim Secreto de Wendy não seja um jardim
mais isolado nem “secreto”, ainda é desconhecido para muitos. Com uma vista fantástica da Sydney Harbour Bridge, o Wendy’s Secret Garden poderia ser a morada das fadas e de outras criaturas mágicas, se existissem.

Preenchido com uma abundância de fauna e flora, o Jardim Secreto de Wendy é encantador.

Mas quem é Wendy?

Wendy Susan Whiteley, foi a sensível lady criadora do misterioso jardim. Conhecida como a ex-esposa do artista australiano Brett Whiteley, e como mãe da atriz Arkie Whiteley, tornou-se uma figura notável no cenário australiano, particularmente após a morte do ex-marido em 1992. 

Brett Whiteley and Wendy Whiteley in New York. Picture from Ashleigh Wilson’s book, Brett Whiteley: Art Life and the Other Thing. Courtesy Whiteley estate.Foto: Brett and Wendy. Ashleigh Wilson’s book, Brett Whiteley: Art Life and the Other Thing.


Portadora de muita sensibilidade e bom gosto, dedicou-se também à restauração e paisagismo das terras ferroviárias abandonadas em Lavender Bay, que ela transformou no famoso “Jardim Secreto de Wendy”.

Foto: Wendy’s Secret Garden, by Silvia Triboni

McMahons Point to Milsons Point

Há uma vista soberba sobre Lavender Bay para a Harbour Bridge, com vislumbres da Opera House.

Foto: Luna Park, by Silvia Triboni

Depois de caminhar por Lavender Bay e por McMahon’s Point, surge o famoso Luna Park em toda a sua glória. Um marco na vida de Sydney desde que foi inaugurado em 1935, o Luna Park tem uma longa e muitas vezes conturbada história. A fase de decadência se instalou após um trágico incêndio do Trem Fantasma em 1979 e, a partir de então, até 2004, o parque abriu e fechou muitas vezes. A última reabertura foi em 2004 e tem sido um sucesso estrondoso até os dias de hoje. Agora ele é um dos poucos parques protegidos por leis de patrimônio nacional, sendo uma importante referência no panorama turístico de Sydney.

Luna Park em si é livre para entrar e passear, sendo cobrado apenas pelos brinquedos e atrações lá existentes. Há restaurantes e cafés com uma vista deslumbrante para o porto. 

Fotos by Silvia Triboni

Ao passo que se caminha pelo Luna Park, a emoção aumenta. Chega-se à ponte e sua grandiosidade nos tira o fôlego.

Mais uma parada para admira-la em seu lado norte. O vai e vem dos carros, do trem e dos barcos naquela baia fazem com que os minutos e as horas passem voando.

Incansavelmente absorvo aquela paisagem na expectativa de que permaneça para sempre em minha mente.

Visitar Lavender bay, McMahon’s Point e Luna Park deve estar no planejamento de todos que queiram conhecer Sydney.

Lazer e deslumbramento garantidos.

Quando viajei: Maio de 2018 Com que fui: Sozinha